4º Festival Internacional de Circo do Rio de Janeiro

Foto divulgação

De 17 a 27 de novembro o Rio vai se transformar em um grande picadeiro para receber as atrações do 4° Festival Internacional de Circo do Rio de Janeiro. Onze companhias nacionais e internacionais levarão seus espetáculos a teatros, arenas, parques, praças e até bibliotecas, sempre com entrada gratuita. Realizado pelo Circo Crescer e Viver, o festival tem patrocínio de Petrobras, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura. O evento conta ainda com o apoio da TV Globo, da M’Baraka e do Metrô Rio.

O tema escolhido para esta quarta edição é “O Rio é o mundo”, em referência ao sucesso dos Jogos Olímpicos realizados na cidade recentemente. “Em sua essência, o circo tem caráter itinerante e tradição de percorrer o mundo. Nossa ideia foi traçar um paralelo com a vocação que o Rio reforçou durante a Olimpíada: receber pessoas e abraçar o mundo”, explica Vinícius Daumas, diretor do festival.

A abertura da mostra ficará por conta dos espanhóis da Cia Cíclicus. No espetáculo “Pals”, conceitos de transformação inspiram um show de circo contemporâneo com elementos rústicos e naturais. Além da sessão fechada para convidados e jornalistas, no dia 17/11, no Teatro Carlos Gomes, na Praça Tiradentes, a companhia também se apresentará nos dias 18, 19 e 20, às 20h.

Outros espaços da cidade que vão receber os espetáculos da programação Festival Internacional de Circo são: Teatro Municipal Ziembinski, na Tijuca; Biblioteca Parque de Manguinhos; Parque Madureira; Arena Jovelina Pérola Negra, na Pavuna; e Biblioteca Parque Estadual, Circo Crescer e Viver e Praça Mauá, no Centro.

Programação conta com 40 apresentações
A pluralidade de linguagens circenses é a marca do Festival Internacional de Circo do Rio, que reúne em sua programação espetáculos de circo contemporâneo, peças com números do circo clássico, além de apresentações voltadas ao público infantil.

A companhia franco-brasileira Sôlta participará do FIC com a peça “Apesar”. Em cena, Alluana Ribeiro e Tom Prôneur interpretarão um velho casal que esqueceu como se comportar “normalmente” e o circo se tornou seu modus operandi. De Brasília virá a Cia. Circo Rebote, com “Inka Clow”, representando a poesia e a expressão da cultura andina, e “Tome sua poltrona”, comédia circense inspirada nos teatros populares do passado. A LaMínima trará de São Paulo “A la carte”, espetáculo de palhaços com Fernando Sampaio e Filipe Bregantim.

“A Salto Alto – Entre Gentilezas e Extermínios”, espetáculo que profana a fábula romântica da Cinderela, com uma crítica ao consumismo desenfreado da sociedade atual, vai ser a aposta do Circo no Ato para encantar o público no Festival Internacional de Circo. A vida do artista circense e a sua busca pela virtuose cênica são o mote de “Aquilo que não cabe em mim”, do grupo Circo em nós. Elementos tradicionais, como monociclo, mágica e acrobacia de solo, estarão presentes no espetáculo, fazendo um contraponto aos elementos mais modernos.

Os alunos do programa de formação artística da instituição apresentarão “Epitelial”, encenação inspirada no “Mito da caverna”, de Platão. “Parada Shakespeare” será a atração apresentada pela Cia iLtda, formada por artistas com e sem deficiência. Já o Circo Carioca Social Clube vai apresentar um espetáculo que une circo e dança: “Ah Abusado!”.

O coletivo Nopok participará com dois espetáculos: “Carrilhão”, que retrata a vida dos mascates em uma fusão das linguagens do circo e do teatro; e “Deslizes”, que faz uso de técnicas acrobáticas e de equipamentos novos, dentro da pesquisa circense do grupo, como a bicicleta acrobática e a mesa deslizante. A Cia Up Leon levará ao FIC o infantil “Olimpíadas Malucas”, com atletas intrépidos surpreendendo a plateia.

Fruto do LabCirco – Programa de Criação Coletiva em Circo, o espetáculo inédito “Feito a mão”, dirigido por Luis Igreja, será apresentado no evento. A iniciativa reúne dez jovens artistas (cinco brasileiros, alunos da Escola Nacional de Circo e cinco estrangeiros, graduados na Escuela de Circo Carampa, uma das maiores referência em Circo na Europa). A inspiração para o projeto é o Crece (Creating Circus Exchange), que acontece em Madri e já teve duas edições por aqui (Crece-Sur no 1° e 2° Festival Internacional de Circo do Rio de Janeiro).

Fechando a programação, no domingo, dia 27, o picadeiro do Circo Crescer e Viver vai receber a Mostra Competitiva de Circo. Dez performances circenses selecionadas previamente serão apresentadas e concorrerão a R$5mil em prêmios.

Papo de Circo

Assim como nas edições anteriores, o 4° Festival Internacional de Circo contará com um encontro para trocas de ideias e experiências sobre a cena circense brasileira e mundial. Este ano o Papo de Circo será realizado em formato informal, como um talk-show em que o público poderá interagir com os convidados. O encontro acontecerá no dia 21/11, às 15h, na Biblioteca Parque Estadual, e contará com a presença de diretores de escolas de circo e festivais, além de apresentações de números de circo. As inscrições podem ser feitas gratuitamente pelo e-mail inscricao@crescereviver.org.br e as vagas são limitadas.

Alguns nomes confirmados são: Carlos Vianna, diretor da Escola Nacional de Circo (ENC/Funarte); Javier Jiménez, coordenador artístico da Escuela de Circo Carampa (Madri/Espanha); e Raphael Calvo, coordenador do Programa de Formação do Artista de Circo (Profac), do Circo Crescer e Viver. A mediação do Papo de Circo ficará a cargo de Vinicius Daumas, cofundador do Circo Crescer e Viver e diretor do Festival Internacional de Circo do Rio de Janeiro.

Edições anteriores
O Festival Internacional de Circo do Rio de Janeiro nasceu em 2012 reunindo um total de mais de 200 artistas e atraindo um público de mais de 90 mil pessoas, em suas apresentações. Em 2014, o 2º Festival Internacional de Circo do Rio de Janeiro ganhou proporções ainda maiores, tornando-se o maior evento do gênero no mundo, com mais de 250 mil espectadores. No ano passado (2015), o Festival ganhou uma edição especial, em comemoração aos 450 anos do Rio de Janeiro.

Circo Crescer e Viver
O Circo Crescer e Viver é um circo que junta arte e transformação social em seu picadeiro. Uma organização que, em mais de dez anos de atividade ininterruptas, iniciou seu trabalho com circo social, expandiu seus projetos e atividades e transformou-se em uma das mais expressivas instituições do circo brasileiro. Desenvolvendo ações nos campos da formação, produção, difusão e fruição das artes circenses, o Circo Crescer e Viver é hoje um empreendimento com atuação em todos os elos da cadeia produtiva do circo, assumindo uma posição de vanguarda na renovação estética e na atualização criativa das artes circenses no Brasil.

Por meio de uma metodologia própria, o Circo Crescer e Viver atua com a visão de se tornar referência na construção de conhecimentos e práticas inovadoras, especialmente, no campo da formação para as artes circenses. Portanto, no Crescer e Viver, circo social é mais do que uma ferramenta educativa para trabalhar com jovens em situação de vulnerabilidade, assumindo papéis artísticos e culturais, tomando para si os desafios de: investigar e desenvolver novos parâmetros e paradigmas estéticos para o circo; gerar inovação metodológica de formação para as artes circenses; e criar mecanismos capazes de articular a transversalidade das dimensões simbólicas, de cidadania e econômica das artes e da cultura do circo.

Programação completa em www.festivaldecirco.com.br

SERVIÇO:
4° Festival Internacional de Circo do Rio de Janeiro
Abertura para convidados e imprensa – Dia 17 de novembro, às 20h
Local – Teatro Carlos Gomes (Praça Tiradentes, s/n° – Centro/RJ)
Programação aberta para o público: De 18 a 27 de novembro de 2016
Entrada gratuita (mediante retirada de senha com 1 hora de antecedência)

 

Deixe uma resposta