Atividades em escola onde menina foi morta no Rio são parcialmente retomadas

Após quase uma semana sem aulas, a escola Escola Municipal Jornalista e Escritor Daniel Piza, em Acari, Zona Norte do Rio, retomou parcialmente nesta segunda-feira (10) as atividades. No dia 30 de março, a estudante Maria Eduarda Alves da Conceição, 13 anos, morreu no pátio da escola enquanto fazia educação física, alvejada por três tiros, durante confronto entre policiais militares e homens armados. A perícia indicou que um dos tiros partiu da arma de um policial.

Na semana passada, pais e funcionários elegeram uma série de medidas necessárias para o retorno das aulas para que o trauma não prejudique o aprendizado dos alunos. Estão previstas assistência psicológica, atividades de grupo e reuniões nesta semana. A partir do dia 17, a programação inclui oficinas integradas e adaptadas ao currículo escolar.

Em encontro com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, os pais de Maria Eduarda pediram a criação de uma lei que proíba operações policiais nas comunidades em horário escolar.

Na quarta-feira passada, os profissionais da escola enviaram uma carta à prefeitura do Rio, solicitando serviços de assistência social, cultura e saúde na comunidade. Dentre os pedidos, estão a instalação de um centro de referência de assistência social, uma lona cultural, uma clínica da família e um centro esportivo. Este último seria a ampliação da atual quadra em um ginásio poliesportivo, para o qual é sugerido o nome de Maria Eduarda.

Agência Brasil

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*