Autorretratos, referências e memórias de Myriam Glatt ocupam duas galerias no Centro Cultural Justiça Federal

Mulher e pássaros - pintura acrílica -s - tela fotografia e filó - 150x134cm - 2012-17

“Tempo, da contenção à expansão” convida o espectador a compartilhar as memórias e referências colocadas pela artista visual Myriam Glatt nas 13 obras que compõem a sua 4ª exposição individual, que ocupa duas galerias do primeiro piso do Centro Cultural Justiça Federal, a partir do dia 5 de setembro, com curadoria de Isabel Sanson Portella. O uso de autorretratos, lembranças e elementos que remetem à História da Arte e a mestres da pintura como Van Gogh, Magritte, e Frida Kahlo estão presentes através de colagens de linguagens (desenho, pintura e fotografia), para compor esta série iniciada em 2012 e concluída em 2017.

Serão apresentadas 13 obras, uma instalação com sementes naturais e 12 pinturas, sendo a imagem feminina retratada pela própria artista, misturada com elementos já explorados por ela em outras individuais, como sementes, flores e pássaros.

“Numa crise em 2012, ao sair do abstrato, pensei: ‘Meu corpo é a parte do mundo mais próxima de mim’. Neste momento entrou a figura, na série que acabo de concluir e que está sendo exposta pela primeira vez no CCJF”, afirma Myriam Glatt.

“Todos os trabalhos são verticais como o retrato. Somente a obra “O sofá” de formato horizontal, remete à paisagem. Talvez uma paisagem que guarda memórias de algo ou alguém que esteve ali”, complementa.

Myriam Glatt já teve a Natureza e a repetição como tema recorrente em suas obras. Em 2016, realizou a exposição intitulada “Semente” (Galeria Öko); em março deste ano levou para o Espaço Cultural Correios Niterói, “Flor, da contenção à expansão”, com grandes relevos e telas com folhagens e flores. Dois anos antes, em 2015, na mostra “Coletivos, manchas e contornos” (Galeria Toulouse Arte ConTemporânea – TAC) expôs pedras, nuvens, sementes e flores.

FORMAÇÃO

Arquiteta/cenógrafa pela Santa Úrsula RJ, pós-graduada em arte filosofia pela PUC/RJ. Aulas de pintura e teorias de arte na EAV Parque Lage (1995 a 97 e 2008 a 2013). Grupo de estudos com Marcelo Campos e Daniela Labra (2015/2016).

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

2015 – “Coletivos, manchas e contornos” – Galeria Toulouse Arte ConTemporânea (TAC), Curadoria Mário Gioia.

2016 -“Semente” – Galeria Öko, Curadoria Lia do Rio, texto Mario Gioia.

2017 – “Flor, da contenção à Expansão” – Espaço Cultural Correios Niterói, Curadoria Isabel Sanson Portella.

EXPOSIÇÕES COLETIVAS

2012 – “O Cortiço” – Ceperj, Curadoria Marcelo Campos.

2013 – “Onde estou” – Galeria Tac, Curadoria Marcelo Campos.

2015 – “Soy mujer soy latina americana”- Espaço Cultural Cedim Heloneida Studart, Curadoria Lucia Avancini.

2016 – “Arte Brasileira na ConTemporaneidade” – Art Lab Gallery, São Paulo.

2016 – “Ponto Transição” (performance) – Fundição Progresso, Curadoria Xico Chaves, Luiza Interlenghi e Sonia Salcedo (Funarte).

2016 – “Acesso arte conTemporânea – Qual é seu link?” – Centro de Artes Calouste Gulbenkian, Curadoria Lucia Avancini e Marilou Winograd.

2016 – “Qual o seu link, pequenos formatos” – Galeria VG Cassino Atlântico Curadoria Lucia Avancini e Marilou Winograd.

2017 – “Circuito Interno fevereiro” – Fabrica Bhering.

2017- “Carpintaria para todos” – Galeria Carpintaria , curadoria Bernardo Mosqueira, Luisa Duarte e Marcelo Campos.

2017 – “Fora da Ordem”- Centro Cultural Parque das Ruínas

“Tempo, da contenção à expansão”
Myriam Glatt apresenta 13 obras utilizando pintura, fotografia e instalação.
Abertura: 5/9 às 19h
Visitação: de 6/9 a 29/10/2017
Centro Cultural Justiça Federal

Galerias E1 e D1 do 1º andar
Endereço: Av. Rio Branco, 241 – Centro – Rio de Janeiro – RJ
Horário: terça a domingo, das 12h às 19h

Telefone: (21) 3261-2565

 

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*