Campanha incentiva inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho

O Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) lançaram hoje (14) a série de oito vídeos O Futuro que Queremos, uma campanha de incentivo à inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. O evento ocorreu nesta manhã, na sede do MPT, na capital paulista.

Na série, cada episódio de aproximadamente quatro minutos de duração, oferece os recursos de acessibilidade: intérprete de Libras, legendas e audiodescrição. As histórias trazem personagens inspiradores que trabalham ou estudam, com objetivo de mostrar que a inclusão é possível.

O diretor da OIT no Brasil, Peter Poschen, explica que o tema da inclusão de deficientes vem sendo debatido há muitos anos. “A primeira vez que [o tema] foi tocado, em 1925, se referia a pessoas que perderam a capacidade por acidente de trabalho ou doenças”. Posteriormente, o assunto foi ampliado para todas as pessoas com deficiências.

Poschen citou a Convenção número 159 da OIT, que incentiva a inclusão, e que deu início a uma década de boas práticas. “É significativo que a maiores redes de empresas estão procurando promover a inclusão de pessoas com deficiência”, disse.

O procurador-chefe do MPT em São Paulo, Erich Vinicius Schramm, lembra que o trabalho decente e a dignidade da pessoa humana são direitos presentes na Constituição. “É missão institucional do MPT brigar, no bom sentido, pelo trabalho decente. Realizar, de todas as formas, a inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho,” acrescentou.

Segundo a vice-coordenadora Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho, Sofia Vilela, alguns mitos atrapalham a contratação. Empresas alegam que não encontram pessoas com deficiência para contratar, que estas pessoas não são capacitadas e que elas preferem receber o benefício social pela deficiência a trabalhar. 

“O Ministério Público do Trabalho tem que obrigar as empresas a contratar porque está na lei. As empresas têm que cumprir, por uma questão de responsabilidade social e por questão de ordem jurídica”, defende Sofia Vilela.

Agência Brasil

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*