Cena Brasil Internacional 2017

Tadashi Endo Solo Maboroshi

O festival reúne dez espetáculos de teatro e dança, entre trabalhos de companhias do Brasil, Alemanha, Itália e Japão.

Veja a programação de 31 de maio a 4 de junho:

Qua (31/5) a seg (3/6):

19h: La Vita Ferma: Sguardi sul Dolore del Ricordo
CCBB Teatro 1. Classificação: 14 anos. 180 minutos. Direção e Texto: Lucia Calamaro. Elenco:  Riccardo Goretti, Alice Redini e Simona Senzacqua.

Em seu trabalho mais recente, a dramaturga e diretora italiana Lucia Calamaro retorna ao tema da morte e, desta vez, o faz a partir da memória daqueles que vivem. La Vita Ferma é um drama em três atos que traz olhares sobre a dor da lembrança e sobre a ruptura irredutível entre os vivos e os mortos. É uma reflexão sobre o luto e a dor de recordar aqueles que não estão mais presentes, mas têm suas memórias reinventadas por quem está vivo. A peça apresenta um vislumbre da trajetória de três pessoas comuns – pai, mãe e filha –, sendo que uma delas está morta em cena. O elenco é formado por  Riccardo Goretti, Alice Redini e Simona Senzacqua.

Qui (1/6) e sex (2/6):

21h: O Abacaxi
CCBB Teatro 3. 14 anos. 80 minutos. Direção: Debora Lamm e Fabiano de Freitas. Texto: Veronica Debom. Elenco: Veronica Debom e Felipe Rocha.
Com texto da atriz Veronica Debom, que divide cena com o ator Felipe Rocha, a peça O Abacaxi estreia no Cena Brasil. A montagem aborda a transição que o nosso tempo vive em relação ao amor e às combinações que tentamos estabelecer para lidar com ele. A obra, que marca a estreia de Debom como dramaturga, fala de uma geração que tem, de um lado, pais casados até hoje, com mães que escolheram a dedicação exclusiva à casa e à família, e, do outro lado, filhos que diluem a identidade de gênero e veem o amor livre com naturalidade. Com direção de Debora Lamm e Fabiano de Freitas, O Abacaxi é uma peça de humor ácido sobre essa busca, sobre a procura do amor que liberta e que ainda está em construção.

Sáb (3/6):
GRÁTIS 19h: Em Criação: Trajetória Sexual (processo)
CCBB Teatro 3. 18 anos. 60 minutos. Autor e intérprete: Álamo Facó.
O ator e autor Álamo Facó apresenta uma versão em processo do seu novo espetáculo, Trajetória Sexual. O projeto encerra a trilogia composta por Talvez (2008) e Mamãe (2015) – dois solos criados, escritos e interpretados por Facó. Trajetória sexual transita entre a autobiografia e a ficção, e assim como nas peças anteriores o autor faz uso de experiências pessoais para construir esta nova dramaturgia. O texto traz um olhar pessoal do intérprete sobre experiências sexuais, nos mais variados contextos e situações – o sexo com desconhecidos, com transgênero, com o melhor amigo e em estados variados de consciência, o sexo em locais públicos, o sexo com amor, as orgias e a disfunção sexual. 

20h: Real (grupo Espanca!)
CCBB Teatro 1. 16 anos. 120 minutos. Direção geral: Gustavo Bones e Marcelo Castro. Textos: Inquérito, de Diogo Liberano. O Todo e as Partes, de Roberto Alvim. Parada Serpentina é uma criação coletiva do elenco. Maré, de Márcio Abreu. Elenco: Alexandre de Sena, Allyson Amaral, Assis Benevenuto Vidigal, Gláucia Vandeveld, Gustavo Bones, Karina Collaço, Leandro Belilo, Marcelo Castro e Michelle Sá. 
O espetáculo é composto por quatros peças de curta duração criadas a partir de acontecimentos que marcaram o Brasil recentemente: um linchamento, um atropelamento, um movimento grevista e uma chacina policial. Encenadas em sequência na mesma apresentação, as quatro obras compõem uma espécie de “revista política” sobre o país. Inquérito, de Diogo Liberano, tem direção de Gustavo Bones. O Todo e as Partes, escrito por Roberto Alvim e dirigido por Eduardo Félix, utiliza princípios do teatro de bonecos. Parada Serpentina partiu de imagens, estudos de movimentos e é fruto da criação coletiva do elenco. Marcelo Castro é o diretor de Maré, escrito por Márcio Abreu.

21h: O Abacaxi
CCBB Teatro 3

Dom (4/6):

20h: Real (grupo Espanca!)
CCBB Teatro 1

GRÁTIS 21h: Em Criação: Trajetória Sexual (processo)
CCBB Teatro 3

Seg (5/6):

GRÁTIS 19h: Em Criação: Trajetória Sexual (processo)
CCBB Teatro 3

20h: Real (grupo Espanca!)
CCBB Teatro 1

21h: MA
CCBB Teatro 3. 10 anos. 50 minutos. Criação, atuação e direção: Tadashi Endo.
Em 2017, Tadashi Endo completa 70 anos de vida e 15 de uma relação afetiva com o Brasil. O bailarino, coreógrafo e diretor japonês tem a morte como principal tema de suas obras. Como é a face da morte? O que vem depois dela? São esses os questionamentos do artista, que teve como mestre um dos maiores nomes do butô, Kazuo Ohno (1906-2010). MA (1991) – o símbolo do espaço entre as coisas –, é primeiro solo da sua carreira. A vida de Tadashi transita na fronteira entre dois mundos: Japão e Europa. Dessa forma, este trabalho é um olhar transcendente do mundo exterior para o mundo interior do coreógrafo e intérprete. As raízes do seu trabalho estão arraigadas às tradições japonesas, embora tenha iniciado a sua vida artística na Europa.

Serviço:

Centro Cultural Banco do Brasil – Rua Primeiro de Março  66 – Centro

Temporada:  De 31 mai 2017 até 11 jun 2017
Horário: todos os dias 19:00
Ingresso: R$ 20.00 (A apresentação do processo de criação de “Trajetória sexual” é grátis.)

Informação: (21) 3808.2020

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here