Cestesb emitirá laudo sobre impactos ambientais do incêndio na Vale em Cubatão

O resultado do laudo com o monitoramento feito pelos técnicos da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) sobre o incêndio na Unidade 2 da Vale Fertilizantes, em Cubatão, Baixada Santista, sai na próxima segunda-feira (9). Dados iniciais do monitoramento não apontaram alteração nos rios, mas indicaram que a água usada para apagar o incêndio pode ter gerado contaminação.

O incêndio ocorreu na quinta-feira (5) após a explosão em uma correia transportadora que alimenta o armazém da unidade de nitrato de amônia. Um dos tanques da empresa explodiu, provocando um grande vazamento de nitrato de amônia. A fumaça emitida, resultado da queima de nitrato, de cor laranja avermelhada, era tóxica.

O Ministério Público Federal instaurou inquérito para investigar o incêndio e o vazamento dos produtos químicos. O órgão considerou urgente a investigação das causas e a extensão dos prejuízos, já que o acidente expôs a saúde da população local e dos trabalhadores da região, além dos danos ao meio ambiente.

De acordo com a Cetesb, o galpão de armazenagem de nitrato de amônio que pegou fogo estava com 10 mil toneladas do produto no momento do incêndio, menos que a capacidade total de 35 mil toneladas.

Monitoramento

A equipe da Cetesb avalia se o lançamento de efluente líquido (resíduos descartados após o processo industrial) da empresa no rio Mogi e no córrego do Índio provocou mortandade de peixes. O levantamento inicial não mostrou danos, porque o volume despejado, segundo a Cetesb, foi pequeno. Os efluentes foram contidos em uma lagoa de equalização do sistema de tratamento.

Entretanto, a água usada pelo Corpo de Bombeiros no combate às chamas vazou para o sistema de tratamento e para a Lagoa Pulmão, o que pode ter gerado contaminação. A Cetesb não constatou alteração de vazão e característica da qualidade da água no córrego afluente do rio Mogi, mas foi feita coleta para análise de alguns parâmetros.

Multa

A Agência de Cubatão da Cetesb suspendeu a licença ambiental de operação para a unidade afetada da Vale, que deverá ser reformada para voltar a funcionar. Além disso, está sendo calculado o valor da multa à Vale, que deve ser aumentado pelo fato de a empresa ser reincidente.

Em janeiro de 2015, a Vale foi multada em R$ 70 mil na Unidade 3, em Cubatão, por emissão de dióxido de enxofre. Em setembro do ano passado, recebeu multa de R$ 250 mil por lançamento de efluente contaminado com amoníaco na Unidade 1, também em Cubatão.

Agência Brasil

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here