Cinderela, de José Wilker, no Teatro Fashion Mall

Foto divulgação

O grande sucesso infantil de José Wilker está de volta à cidade do Rio! Depois de 23 anos, a mágica história de “Cinderela”, contada de maneira divertida e singular por Wilker, conquista o público do teatro novamente. Após temporada de sucesso nos teatros Ipanema e Popular Oscar Niemeyer, em Niterói, e em turnê nacional, sempre com casas lotadas por onde tem se apresentado, “Cinderela”, que nesta versão ganha nova cara e efeitos, sobe ao palco do Teatro Fashion Mall, em São Conrado, bairro da Zona Sul, a partir de 25 de março. Finalista do Prêmio Fita 2016, na categoria Melhor Infantil – resultado será divulgado este ano -, a peça é recheada de magia, música, dança, números de sapateado, humor, alegria e romance, que encantam as crianças, os papais e o público em geral. Essa linda homenagem promete tocar o coração de todos. A direção é assinada por Luisa Thiré. No elenco, estão Anna Rita Cerqueira, Bernardo Mesquita e jovens talentos. A peça ficará em cartaz aos sábados e domingos às 17h30m. A entrada custa R$ 60 e a classificação é livre. Curtíssima temporada até o dia 14 de maio.

Montar “Cinderela” era um sonho antigo de Luisa Thiré, que, 23 anos atrás, interpretou uma das filhas da terrível Madrasta. “Tenho vontade de montar esse texto há um tempão já. Sabe essas vontades que ficam rondando, rondando a cabeça da gente e parece que está esperando a hora certa? Foi assim”, diz ela que, dessa vez, está do outro lado, na direção. Em tempo: em 1994, ela fez a primeira versão da peça. “É maravilhoso! Eu já conhecia muito a peça, mas de dentro do palco, da coxia. Agora, eu tenho que olhar de fora para orquestrar tudo. Tô bem ansiosa e muito animada! Mas, como não sou boba nem nada, eu me cerquei de gente talentosa e maravilhosa, como Teca Fichinski, Victor Maia, Felipe Lourenço e João Thiré (ficha técnica abaixo). “.

O espetáculo surgiu cerca de um ano depois da morte de José Wilker. Luisa conta que Wilker autorizou a montagem do infantil em 2012. “O Wilker sempre foi incrível! Não teve negociação, teve generosidade (ele) e gratidão (eu). Passei um e-mail para ele no dia 10/12/2012 e ele respondeu no mesmo dia: ‘Olá Luisa. Claro. Fique à vontade. Estarei lhe aplaudindo na estreia. Good vibes pra você!’”, lembra ela.

Luisa Thiré é uma atriz de brilhante trajetória no teatro e na TV. Entre os sucessos nos palcos: “Repertório Shakespeare” (pelo qual ele concorre ao Prêmio Fita 2016 como Melhor Atriz), “Feliz por nada”; “Valsa nº6”, “A aurora da minha vida”, “Sonhos de uma noite de verão”; “A farsa”; e “Sonhos de um sedutor”. E na telinha: as novelas “Babilônia” (2015), “Sangue bom” (2013), “Quatro por quatro” (1994) e “Direito de amar” (1987).

Na pele de Cinderela e do Príncipe estão os talentosos Anna Rita Cerqueira e Bernardo Mesquita, que já haviam trabalhado juntos em “Malhação”. Os dois concordam que “Cinderela” é uma história de amor para todas as idades.

“’Cinderela’ foi preparada com carinho, amor. E acho que essa é a verdadeira essência de ‘Cinderela: o amor. Acho que as pessoas vão achar incrível, vão se encantar e entrar na magia. O amor é essencial na vida de uma pessoa”, opina Anna, aos 18 anos, que está adorando ser a Cinderela. “É uma responsabilidade muito grande viver uma personagem tão querida por milhares de pessoas. Toda menina já sonhou entrar numa carruagem, ir ao baile e conhecer seu príncipe encantado. O que mais me encanta nela é que ela é pura”. Anna fez as novelas “Eterna Magia (2007)”, “Escrito nas estrelas” (2010). “Vida da gente” (2011/2012) e “Malhação” (2010 e 2013) e “Os Dez Mandamentos” (2016); e o filme “Confissões de adolescente” (2014).

Já Bernardo Mesquita, que é carinhosamente lembrado como o Príncipe da Xuxa, está muito alegre com essa nova temporada. “Ser o Príncipe de Cinderela é muito importante, ainda mais trabalhando com quem a gente gosta e sendo dirigido por quem a gente gosta, e a responsabilidade é maior ainda e é muito gostoso. Tem sido muito bom, a nossa galera é unida e quem assiste à peça vê isso. Vê que a gente faz com amor e felicidade. A receptividade das crianças é muito bacana. Ser o Príncipe, essa coisa lúdica, ser bonzinho, é algo que as crianças adoram. Elas me tratam com muito carinho, são muito sinceras”, orgulha-se ele, de 23 anos, que, em breve, estreia na nova novela da Record, “O Rico e Lázaro”. No currículo: as novelas “Duas caras” (2006) e “Malhação” (2010); o filme “O mistério de Feiurinha” (2009); o teatro musical “Uma luz cor de luar”; e trabalhou em quadro de aventuras no Programa da Xuxa.

O elenco conta com os jovens talentos de Brasília Éryca Gonçalves, Gabriel Borges, Lairce Dias, Lucas Liér e Nathy Torres, que compõem o Grupo A República. Todos foram alunos de Luisa em uma oficina de Prática de Montagem de Teatro e foi a partir desse encontro que nasceu a ideia de montar “Cinderela”. “Sem eles, esta peça não estaria acontecendo. Quando eles chegaram, cheios de vontade de trabalhar, eu disse: ‘Acho que tenho uma peça pra vocês produzirem’. Foi quando vi que essa era a hora certa de a peça acontecer”, declara Luisa.

Aliás, nesta nova temporada no Rio, parte do elenco é novo, entre eles: Juliana Thiré, que estreia sua primeira peça profissional com atriz. Anteriormente, ela já havia sido assistente de direção da Kika Freire, no espetáculo “Pulsões”. Em “Cinderela”, Juliana interpretará a gata Clarabela e está muito empolgada com a sua estreia. “A Clarabela é uma gata muito esperta e encantada, que encontra junto com seus amigos, Pantaleão e Gardel, as infelicidades da alta classe e a força da imaginação”, conta ela, de 20 anos. No palco, também vai dançar e cantar. “Fiz incríveis sete anos de contemporânea no Espaço Tápias e as aulas voltadas para musicais na Catsapá (incluindo canto e dança) – ambas ficavam em Botafogo”. A banda autoral que faço parte, Almoço Nu, com Ana Fainguelernt, Ivo BTZ, Gabriel Grabois, João Caetano e Thomás Duarte, depois de um ano e meio de apresentações, está sendo gravada agora em fevereiro pela REURBANA”. Em seu currículo estão: a cena poética e performática que dirige “A puta no campo de centeio”, com a atriz Juliana Farias, escrita pelas duas, que se apresentará esse ano no FRINGE (Curitiba), em abril; e os clipes “Move On”, da cantora Bian, e “Pélvis”, do cantor Matheus VK, disponíveis no YouTube, nos quais atuou.

Os atores Victor Mello, Fernando Melvin, Rafael Ballesté, Victor Fontoura e Isis Pessino (stand-in Cinderela e assistente de direção) completam o elenco.

Serviço:

“Cinderela”, de José Wilker.

Estreia: 25 de março (sábado).

Direção: Luisa Thiré.

Elenco: Anna Rita Cerqueira, Bernardo Mesquita, Éryca Gonçalves, Fernando Melvin, Gabriel Borges, Juliana Thiré, Lairce Dias, Lucas Liér, Nathy Torres, Rafael Ballesté e Victor Fontoura.

Sinopse: é uma adaptação para o teatro que, de forma inovadora, aborda temas que envolvem a vida e a infância. Quando um rato, uma gata e um cachorro encontram um livro, magicamente recebem de uma fada madrinha o dom de ler. A leitura possibilita aos três personagens não apenas viajar na imaginação, mas vivenciar tudo o que está sendo lido e, por meio dessa brilhante capacidade, eles entram na história da menina borralheira, que sofre a opressão da madrasta até encontrar o amor de um príncipe.

Sábados e domingos às 17h30m.

Teatro Fashion Mall (Sala I) – Estrada da Gávea 899, São Conrado, Shopping Fashion Mall – 2422-9800.
Capacidade: 474 lugares.
Entrada: R$ 60 e R$ 30 (meia).
Duração: 70 minutos.
Classificação: Livre.
Temporada até 14 de maio.
Funcionamento da bilheteria: de terça-feira a domingo, das 15h às 21h.

FICHA TÉCNICA

Autoria: José Wilker
Direção: Luisa Thiré
Assistente de Direção: Isis Pessino
Direção Musical: João Thiré
Direção de Movimento: Victor Maia
Figurino: Teca Fichinski
Cenário: Teca Fichinski
Iluminação: Felipe Lourenço
Produção: República Amor de Chocolate
Realização: Luisa Thiré e A República

 

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here