Até o dia 18 de dezembro, o Rio de Janeiro será tomado pelo riso, palhaçaria e muita música com a segunda edição do festival “Circo no Parque”, realizado pela Irmãos Brothers Band, com o patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura e da Prefeitura do Estado do Rio de Janeiro. Ao todo serão 60 artistas de circo, veteranos e iniciantes, divididos em vinte atrações gratuitas, que irão ocupar praças e parques de diversos bairros da cidade: Méier, Cinelândia, Realengo, Praça Mauá, Catete,Largo do Machado, Santa Teresa e Lapa.

Além dos habituais números de acrobacias, mágica, trapézio, monociclo, mímica, malabarismos e todas as estripulias e comicidade que compõem o divertido universo do circo , o festival, esse ano, ganhou um reforço: música ao vivo. O público de todas as idades irá se esbaldar também com o som contagiante das bandas “Os Siderais” -orquestra que mistura blues, jazz, Black music e rock – e “Bagunço” – coletivo instrumental que mescla clássicos da música brasileira, do jazz e do pop com forte apelo dançante e melódico e da “Orquestra Sanfônica do Rio de Janeiro”, que, sob a regência do músico Marcelo Caldi, reúne doze sanfoneiros, quatro cantores e dois percussionistas para executar clássicos de Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga e Dominguinhos, além de músicas autorais.

“A música ao vivo é muito comum no universo circense, acentuando as gagues dos palhaços, rufando os tambores durante os saltos mais espetaculares, nos momentos de maior tensão. A música tocada ao vivo faz o circo pulsar diferente, com mais brilho, mais intensidade. No Festival, além de fazer o fundo musical, os músicos são protagonistas juntos dos artistas circenses no desenrolar da encenação. Fazem parte do roteiro” destaca Alberto Magalhães diretor da Irmãos Brothers Band e um dos fundadores da Intrépida Trupe.

No cardápio das atrações circenses há uma montagem para lá de inusitada: o espetáculo “Vertigem”, onde cinco artistas acrobatas unem alpinismo, circo, dança e se apresentam pendurados em cabos de aço fazendo do paredão um palco vertical. Já na performance “O Homem Foca”, o experiente artista Guga Morales utiliza sua boca para segurar uma colher de pau ou uma faca, em cima dos quais vai equilibrar, montado em um monociclo, outros objetos – uma bola, pratos e taças de cristais. No espetáculo de dança da Irmãos Brothers Band, Ritmo É Tudo, inspirado no livro homônimo de Ricardo Elia, o espectador vivencia os diversos ritmos do dia a dia de um casal desde que acorda até a hora de dormir. A programação completa está no site www.circonoparque.com.br

SINOPSE
60 artistas de circo vão ocupar espaços públicos do Rio de Janeiro, com 20 apresentações gratuitas de espetáculos circenses recheados de acrobacias, mágica, trapézio, monociclo, mímica, malabarismos e todas as estripulias e comicidade que compõem o divertido universo do circo. A música ao vivo também sobe no picadeiro com as fanfarras “Os Siderais” e “Bagunço”, e ainda com a “Orquestra Sanfônica do Rio de Janeiro”, que reúne doze sanfoneiros, quatro cantores e dois percussionistas para executar clássicos de Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga e Dominguinhos, além de músicas autorais.

SERVIÇO:

Festival Circo no Parque
Temporada: Até 18 de dezembro de 2016
Faixa etária: livre.
Ingresso: Entrada Franca
Capacidade: ao ar livre

FICHA TÉCNICA
Realização: Irmãos Brothers Band
Direção Geral: Alberto Magalhães
Curadoria: Alberto Magalhães e Laura Faleiros
Produção: Pagu Produções Culturais
Divulgação: Aquela que Divulga (Lyvia Rodrigues)

 

Deixe uma resposta