Itália sofre mais de 70 crimes ambientais por dia

A Itália registrou 25.889 crimes ambientais em 2016, o que representa 71 atos ilícitos por dia – cerca de três por hora, revelou um relatório da associação Legambiente. Apesar de ter registrado uma queda nos crimes ambientais na Itália, o faturamento das chamadas “ecomáfias” foi de 13 bilhões de euros em 2016. O termo foi criado para designar a infiltração de grupos criminosos organizados em licitações e obras ligadas ao meio-ambiente.

A diminuição de 32% no faturamento dessas organizações ocorreu “sobretudo por conta da redução das despesas públicas para obras infraestruturais nas quatro regiões tradicionais dos grupos mafiosos e ao lento redimensionamento do mercado ilegal”. Por regiões, apesar da diminuição dos grupos mafiosos de 48% em 2015 para 44% em 2016, os primeiros lugares na classificação por número de crimes são da Campânia (3.728 ilícitos), depois a Sicília (3.084), Púglia (2.339) e Calábria (2.303).

Já por províncias, Nápoles aparece na primeira colocação no número de crimes ambientais, com 1.361 infrações, seguida por Salerno (963), Roma (820), Cosenza (816) e Palermo (811). A Legambiente destacou que a nova lei sobre crimes ambientais, que entrou em vigor há dois anos, mostrou efeito provocando uma alta de 20% no número de prisões (foram 225 em 2016), nas denúncias (28.818 contra 24.623 em 2015) e o sequestro de bens (7.277).

No entanto, a entidade ressaltou que em todo o país “aumenta a corrupção, outra face das ecomáfias, com a Lombardia e Lazio como as regiões mais atingidas”. “Caíram os crimes contra os animais, aumentaram aqueles ligados ao ciclo ilegal do lixo e os incêndios criminosos, que transformaram em pó mais de 27 mil hectares. Já as construções, foram 17 mil fora das leis”, acrescentou o informe.

ANSA

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*