Itália trabalha para aprovar acordo entre UE e Mercosul, diz vice-ministro

A Itália está atuando para a aprovação de um acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul, segundo o vice-ministro italiano para Desenvolvimento Econômico, Ivan Scalfarotto. “Eu espero que o trabalho que nós estamos fazendo dentro da União Europeia para desenvolver as trocas entre o Mercosul e a UE possa ajudar. A Itália tem uma posição muito favorável ao livre comércio”, disse hoje (25) Scalfarotto durante o Fórum Econômico Brasil-Itália, que promoveu o encontro de empresários e autoridades de ambos os países na capital paulista.

Um acordo entre os dois blocos econômicos vem sendo negociado desde 1998. A proposta, entretanto, caminha com lentidão. Em maio deste ano, pela primeira vez desde 2004, representantes do Mercosul e da UE trocaram ofertas de acesso aos seus respectivos mercados de bens, serviços e compras governamentais. A iniciativa foi vista como uma avanço importante por Scalfarotto.

“Depois de 12 anos, houve uma troca oficial entre as duas partes. Acho que isso já foi um sucesso parcial, porque o que nós esperamos é que esse acordo entre em vigo e que a Itália possa, de fato, participar”, acrescentou ao falar durante o fórum.

Barreiras tarifárias

O Mercosul – composto por Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela, como membros efetivos, e tendo como membros associados Bolívia (em processo de adesão), Chile, Colômbia, Peru e Equador  – é o sexto mercado das exportações da UE, tendo representando 88 bilhões de euros de receitas em 2015. Por outro lado, as empresas europeias pagam mais de 4 bilhões de euros em taxas alfandegárias.

São justamente as tarifas para entrada de produtos europeus uma das maiores preocupações dos italianos. “Uma das dificuldades que nós temos para chegar [ao Mercosul] são as tarifas alfandegárias, que são altíssimas”, enfatizou o vice-ministro. “Devido às altas taxas, os produtos italianos chegam ao Brasil praticamente como artigos de luxo”, falou.

Durante o encontro, foram apresentados aos investidores italianos as possibilidades do mercado brasileiro em diversos setores, como agronegócio, geração de energia, automobilístico, infraestrutura, transporte e tecnologia da informação. “Nós queremos ser complementares ao esforço que o Brasil está fazendo do ponto de vista da infraestrutura. A Itália tem um grande know how e desejo de entrar nesse mercado”, afirmou Scalfarotto.

Investimentos

O secretário de Desenvolvimento e Gestão do Ministério de Planejamento do Brasil, Hailton  de Almeida, destacou o grande volume de recursos públicos que deverão ser destinados à infraestrutura do país nos próximos anos. “Apesar de toda a crise fiscal que passamos, vamos investir entre 2016 e 2018 quase R$ 110 bilhões com recursos do Tesouro, sendo cerca de R$ 40 bilhões em logística, R$ 60 bilhões em saneamento e R$ 18 bilhões em defesa”, disse.

No setor de geração de energia, o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Tiago Correia, disse que mudanças na matriz energética devem abrir espaço para pequenas e médias empresas atuarem. “Tem uma transição energética com novas fontes cuja economia de escala é muito baixa. Hoje, para você ter uma termoelétrica a gás no Brasil, teria que ter pelo menos 100 megawatts de potência instalada. Já uma eólica consegue ter alguma viabilidade econômica a partir de 20 megawatts”, explicou. Com isso, ele acredita que “2,5 gigawatts vão ser instalados por pequenos produtores ao longo dos próximos dez anos no país”.

Agência Brasil

Deixe uma resposta