Livro: Robopocalipse de Daniel H. Wilson

Foto divulgação

Além de autor best-seller do New York Times, Daniel H. Wilson é PhD em robótica. Não é à toa, portanto, que a trama de “Robopocalipse”, que chega às livrarias pela Record em setembro, cause angústia real e forneça detalhes interessantíssimos no que diz respeito a inteligência artificial. Não é por acaso também que Steven Spielberg já comprou os direitos da obra e está produzindo a adaptação para o cinema.

Num futuro próximo, onde robôs e máquinas são usados com parte vital do cotidiano, fazendo de trabalhos domésticos a missões militares, o problema começa quando cientistas criam um projeto chamado Archos, um dispositivo de inteligência artificial que se torna consciente.

Após segundos de análises de dados, Archos conclui que a humanidade é descartável. A partir daí, começa a tomar conta de toda forma de tecnologia on-line do mundo. Primeiro, pequenos bugs em equipamentos e programas são percebidos, sem que ninguém note nenhuma conexão entre os acontecimentos. Depois, Archos promove um ataque completo, infectando com um vírus todo tipo de dispositivo: robôs domésticos começam a atacar os humanos, carros saem do controle, aviões se chocam. Muitos humanos morrem, e os que permanecem vivos são levados para campos de trabalho.

Mas parte da humanidade consegue seguir livre e, para combater a ameaça, vai ter que fazer algo que parece inimaginável no mundo contemporâneo: unir-se em torno de um objetivo comum. A trama é narrada em flashback, por meio de anotações, documentos e lembranças, por um dos sobreviventes do que ficou conhecido como a Nova Guerra.

TRECHO:

“O Sr. Nomura cai de joelhos, com os dedos enroscados nos antebraços de Mikiko. Ele segura os braços dela, mas não oferece resistência. Enquanto sua garganta é esmagada, o Sr. Nomura simplesmente olha para a androide. Aquele rio de sangue corre inadvertidamente pelo seu rosto, acumulando-se na concavidade da clavícula. O olhar dela está fixo nos olhos dele, determinado e nítido por trás daquela máscara de angústia no rosto. Os olhos dele também estão nítidos, brilhando por trás dos pequenos óculos redondos.”

Daniel H. Wilson é PhD em robótica pela Carnegie Mellon University, além de ser mestre em inteligência artificial e robótica. É autor de livros de não ficção, entre eles “How to survive a robot uprising”. Wilson mora em Portland, Oregon. Mais informações em danielhwilson.com.

 

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*