MP entra com ação contra Pezão para garantir alimentos nos presídios

Foto: Divulgação

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) encaminhou nesta quinta-feira (4) mandado de segurança coletivo, por ato omissivo, contra o governador Luiz Fernando Pezão e o secretário estadual de Fazenda e Planejamento, Gustavo de Oliveira Barbosa. O objetivo é garantir a continuidade no fornecimento de alimentos aos detentos do sistema prisional fluminense.

Em um dos ofícios, encaminhados pelo secretário de Administração Penitenciária (Seap), Erir Ribeiro, o ministério disse que teme rebeliões no sistema penitenciário, caso as empresas fornecedoras de alimentos desistam de servir às refeições diárias pela falta de pagamento.

O documento, assinado pela Subprocuradoria Geral de Justiça de Assuntos Cíveis e pela Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Sistema Prisional e Direitos Humanos, pede que o Estado do Rio seja obrigado a repassar R$ 30 milhões à Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), referentes ao preparo e fornecimento de alimentos no mês de abril, e que o repasse se repita nos meses subsequentes.

A Seap, de acordo com o pedido, solicitou várias vezes ao governador e ao secretário, por ofício, a liberação de verba para pagar fornecedores de alimentação ao sistema prisional do Estado. A secretaria informou que o débito com as empresas somava R$ 180,8 milhões em fevereiro e alertou para o receio de rebeliões, em caso de paralisação no fornecimento.

Em um dos ofícios, o secretário Erir Ribeiro relatou que duas empresas responsáveis pelo fornecimento de 14 mil refeições diárias de 13 unidades prisionais pediram rescisão dos contratos em março deste ano, por não suportarem a inadimplência do Estado. Elas empresas foram substituídas e terceira fornecedora pediu rescisão em abril.

Com a diminuição ou suspensão dos pagamentos às empresas fornecedoras, foram identificados casos de redução da qualidade e quantidade dos alimentos servidos aos presos, o que fez a SEAP autorizar a entrada de maior quantidade de alimentos nas prisões por familiares dos presos.

O mandado de segurança por ato de omissão será distribuído a um relator Órgão Especial do Tribunal de Justiça, que vai apreciar o requerimento de liminar para a imediata liberação da verba referente ao mês de abril, no valor de R$ 30 milhões.

Procurada, a assessoria do governador Luiz Fernando Pezão informou que ele ainda não foi notificado da medida.

Agência Brasil

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*