MP propõe criação de colegiado para atuar contra superlotação de presídios no Estado

Como resultado da violência, o Rio de Janeiro tem 42,7% de presos provisórios do total de mais de 50 mil detentos nas 50 penitenciárias do estado Presídios. Foto: Wilson Dias/ Agência Brasil

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) propôs ao Tribunal de Justiça do Rio, , a criação de um colegiado para elaborar o Plano de Redução da Superlotação do Sistema Prisional Fluminense (PRSSPF), com adoção de ações, medidas e o estabelecimento de metas.

A Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Sistema Prisional e Direitos Humanos do MP fluminense propôs que o comitê gestor tenha a participação, além do MRPJ, da Vara de Execuções Penais, da Secretaria de Administração Penitenciária, da Defensoria Pública, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), do Conselho Penitenciário Estadual e dos Conselhos da Comunidade. As instituições e organismos têm, após a manifestação do Juízo, cinco dias corridos para informar interesse no plano.

Em seguida, será convocada, em até dez dias corridos, a primeira audiência de constituição e planejamento, com a presença dos representantes das instituições que aderiram ao plano. O objetivo é reduzir a superlotação das unidades prisionais, ao limite extremo de ocupação em 137,5% em cada unidade prisional masculina e 110% em cada unidade feminina. A taxa global de ocupação do sistema fluminense chegou a 185% da capacidade em dezembro de 2016.

O documento sugere a apreciação de uma série de medidas, entre elas o remanejamento de efetivo e ocupação de vagas ociosas; a recuperação de vagas indisponíveis por interdição; a ampliação do número de vagas; comunicação aos juízos criminais sobre a situação de presos provisórios com mais de 90 e 180 dias de encarceramento; conferir celeridade e criação de mutirão de análise de benefícios legais de presos; e conversão de penas privativas de liberdade em penas restritivas de direitos.

Segundo diagnóstico da situação dos presídios elaborado, a população carcerária no Estado do Rio cresceu 50% nos últimos três anos, de 33.627 internos em dezembro de 2013 para 50.482 internos em dezembro de 2016. Nesse mesmo período, contudo, o número de vagas instaladas no sistema ficou praticamente estável: de 27.069 passou a 27.242, variação de 0,6%.

Isso significa que a superlotação dos presídios fluminenses avançou em ritmo acelerado nos últimos três anos. A taxa global de ocupação do sistema prisional fluminense, que era de 124% da capacidade ao fim de 2013, saltou para os 185% de dezembro de 2016. Trata-se de um déficit de cerca de 23 mil vagas. Das 47 unidades prisionais fluminenses identificadas, 35 tinham ocupação acima de 100% da capacidade ao fim de 2016.

De acordo com o diagnóstico elaborado, o Estado teria que construir mais 29 unidades prisionais para suprir o déficit de vagas já existente, o que exigiria investimentos da ordem de R$ 900 milhões. O cálculo considera penitenciárias de segurança média, com capacidade para 800 presos cada, e não leva em conta o custo de operação e conservação das unidades, remuneração de pessoal, alimentação, abastecimento de água, assistência médica e outras despesas.

Esse quadro de superlotação não se traduz apenas na falta de camas e colchonetes. Existe insuficiência no abastecimento de água nos presídios, o que retira condições de vida digna. Nos últimos três anos, o número de mortes nas prisões do Estado cresceu 90,9%, de 133 em 2013 para 254 em 2016. O principal motivo: doenças, muitas relacionadas à tuberculose, recorrente em presídios superlotados. Somente em 2017, foram dez mortes de 1º a 10 de janeiro.

A crise financeira enfrentada pelo Estado do Rio agrava a situação. O governo deve a fornecedores, especialmente os responsáveis pelas refeições aos internos. Segundo informações da Secretaria de Administração Penitenciária do Rio, de 30 de novembro, o débito estimado era de R$ 172,77 milhões. O custo mensal de refeições no sistema prisional era estimado em R$ 28 milhões em dezembro do ano passado.

 Dezoito ações civis públicas foram ajuizadas com o objetivo de enfrentar a superlotação, com formulação de pedidos de interdição de estabelecimentos prisionais. Outros 15 procedimentos especiais também foram instaurados para enfrentar este problema que atinge os presídios fluminenses.

 

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*