Nível do Cantareira saltou de 2,2% para 45,9% em um ano, diz Sabesp

A capacidade total do Cantareira, que incluiu o volume morto, saltou de 31,4 % há um ano para 75,2 % hoje. Foto: Divulgação/Sabesp

No período de um ano, o Sistema Cantareira mostrou recuperação considerável em seu volume armazenado, segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). O nível saltou de 2,2%, em 5 de janeiro do ano passado, para 45,9 % hoje (5), na medição que desconsidera o volume morto.

De acordo com a Sabesp, levando em conta a capacidade total do Cantareira, que incluiu o volume morto, o reservatório saltou de 31,4 % há um ano para 75,2 % hoje. São Paulo enfrentou nos últimos 3 anos a pior crise hídrica da sua história.

Franco Villela, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), explica que nos anos de 2014 e 2015, as chuvas de verão estiveram muito abaixo na normalidade, o que, aliado à alta na demanda de consumo pela população, ocasionou o esgotamento do Cantareira. “Foi uma anomalia de verões secos”, disse ele.

A recuperação do volume no Cantareira em 2016 ocorreu porque as chuvas voltaram a cair dentro da normalidade e também porque a população se conscientizou. Em 2017, a previsão para a próxima semana é que as chuvas continuem a cair sobre o manancial – em sete dias está prevista a precipitação de 60 milímetros. Nos cinco primeiros dias do ano, choveu 19,2 milímetros e a média histórica para o mês é 262,6 milímetros.

Evolução

No ano em que a crise começou, 2014, o Cantareira atingiu 26,7% da capacidade em 5 de janeiro. Um ano depois, caiu para 7%. Em maio de 2014, o governou paulista determinou o uso do volume morto pela primeira vez, o que acrescentou 182,5 bilhões de litros ao sistema, aumento de 18,5% na capacidade. Em outubro de 2014, a segunda reserva técnica entrou em operação e acrescentou 105 bilhões de litros ao sistema, o equivalente a 10,7% de acréscimo.

O sistema abastece, atualmente, cerca de 7,4 milhões de pessoas. Antes do início da crise, o Cantareira garantia água para quase 9 milhões de pessoas em toda a Grande São Paulo. A estiagem e a perda acelerada de água nos reservatórios fez com que a Sabesp redirecionasse o abastecimento para outros mananciais.

Outros mananciais

Na maioria dos demais mananciais, também houve recuperação. No sistema Alto do Tietê, o volume armazenado hoje é 43,3% e há um ano era 24,9%. O Sistema Alto Cotia está hoje com 100,9% do total, sendo que era 89,7% há um ano. O Sistema Rio Claro armazena 84,7% hoje, superior aos 74,5% do ano passado.

Os únicos a apresentar queda foram a Represa de Guarapiranga, que tem hoje 72,2% da capacidade, inferior aos 84% de um ano atrás e o Sistema Rio Grande, que registra hoje 87,9% da capacidade, ante 93,5% do ano passado.

Agência Brasil

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*