Nós do Morro faz apresentações e debates, na Penha, Madureira e Pavuna

O Nós do Morro completa 32 anos de história e, para comemorar essa marca, apresenta o espetáculo “Encontros, 32 anos depois”. Uma releitura da primeira produção do grupo, será encenada nos bairros da Pavuna, Penha e Madureira, entre os dias 14 e 30 de junho, com preços populares. Além disso, será realizado também debates sobre arte e cultura, encerrando com SLAM de poesia.

Nada poderia ser mais emblemático, quando o Grupo foi fundado há mais de 30 anos, a produção foi a primeira a ser apresentada pelo Nós do Morro, em 1987, e tinha o nome de “Encontros”. Com argumentos preparados por Luís Paulo Corrêa e Castro, a história fala da vida dos adolescentes do Vidigal na década de 80, mostrando os principais pontos de encontro e reunião e os problemas enfrentados no cotidiano dos moradores de uma favela em plena “década perdida”.

“Revisitar esse texto é uma forma de celebrar, além de ser um exercício de memória que possibilita voltarmos para nós mesmos e, ao retratar esses “Encontros”, 32 anos depois, percorremos a nossa própria história e nos fortalecemos no crescimento humano e na sensibilidade artística que nos construiu. Assim, o Grupo festeja a sua história e os inúmeros encontros que possibilitaram a sua consolidação, renovando a sua missão de atuar pela ampliação do acesso à arte e à cultura aos moradores das periferias cariocas”, completa a diretora de produção, Dani Carvalho.

“Antes de tudo, Encontros é uma celebração à vida desses jovens sonhadores que, impossibilitados de contar com políticas públicas que os ajudassem a ter acesso aos bens de produção cultural e a uma vida melhor, se viravam como podiam, fazendo do seu viver uma forma de expressão de uma geração que vivia à margem das benesses da sociedade de consumo e do mundo da “alta cultura”, afirma o diretor artístico e fundador do Nós do Morro, Guti Fraga.

Hoje, após tantas décadas e mudanças no mundo, a peça volta à cena em uma releitura assinada por Fabrício Santiago, com colaboração de Álamo Facó. O argumento é o mesmo e os conflitos permanecem, mas as situações foram adaptadas para o contexto atual, com a dinâmica de uma sociedade cada vez mais impactada pela globalização. A remontagem desse espetáculo é a prova de que a semente germinada com a criação do Nós do Morro frutificou, mostrando que a iniciativa idealizada por Guti Fraga, Fred Pinheiro, Luís Paulo Corrêa e Castro e Fernando Mello da Costa serviu de espelho para uma série de movimentos culturais criados em favelas e bairros da periferia, formando crianças, jovens e adultos e mostrando que a vida vivida na arte é muito mais bonita.

“Ainda criança, o maior sonho da minha vida era simplesmente conseguir viver da minha arte. E, ao ter a sorte de encontrar com a escola de teatro Nós do Morro, o meu sonho se tornou possível. Retornar ao grupo nesse momento como dramaturgo é um dos presentes mais especiais de toda minha trajetória”,  diz o dramaturgo de “Encontros 32 anos depois”, Fabrício Santiago.

Apesar da diferença de 31 anos entre a primeira montagem e essa, a importância ainda é bastante latente na história, não somente do Nós do Morro, mas de tantas outras comunidades espalhadas pelo Rio de Janeiro e pelos demais estados brasileiros.

“O texto falava do cotidiano da favela, porque era importante que os moradores se reconhecessem e, através dessa experiência, vislumbrassem a vivência artística como algo próximo e tangível, atuando pela democratização do acesso à arte. Acreditávamos na possibilidade de aliar formação artística à responsabilidade social. Entendíamos o processo de criação artística como uma filosofia de vida, capaz de formar cidadãos atentos aos problemas do mundo e generosos com os outros. Então, remontar esse texto é uma forma de reafirmar que continuamos acreditando em tudo o que nos motivou desde o início. A nossa história nos mostra que o Grupo Nós do Morro é uma iniciativa que deu certo e, diante desses 32 anos, temos a certeza de que apenas começamos. Que venham os próximos 32”, salienta Fraga.

Encontros, 32 anos depois

Arena Jovelina Pérola Negra
14 de junho – Debate sobre arte e cultura encerrado com SLAM de poesia
Horário: 14h
Entrada franca

15 de junho – Apresentação do espetáculo
Horário: 19h30
Praça Ênio, S/N – Pavuna
Telefone: (21) 2886-3889
Valor do Ingresso: Inteira R$10,00 e meia R$5,00

Arena da Dicró
*haverá tradução em libras para a apresentação do espetáculo 

23 de junho – Debate sobre arte e cultura encerrado com SLAM de poesia
Horário: 16h
Entrada franca

23 de junho –  Apresentação do espetáculo
Horário: 20h.
Rua Flora Lôbo, 184 – Penha Circular
Telefone: (21) 3486-7643
Valor do Ingresso: Inteira R$10,00 e meia R$5,00

Arena Fernando Torres
29 e 30 de junho – Apresentações do espetáculo
Horário: 20h
Rua Bernardino de Andrade, 200 – Madureira
Telefone: (21) 3495-3078
Valor do Ingresso: Inteira R$10,00 e meia R$5,00

30 de junho – Debate sobre arte e cultura encerrado com SLAM de poesia
Entrada franca
Horário: 16h

Ficha Técnica:
Texto Original: Luís Paulo Dias Corrêa e Castro
Dramaturgia: Fabrício Santiago
Colaboração dramatúrgica: Álamo Facó
Direção Artística: Guti Fraga e Fátima Domingues
Assistente de Direção: José Mário Farias
Direção de Movimento: Johayne Hildefonso
Direção Musical: Gabriel Moura

Elenco: Alexandre Cipriano, Alice Coelho, Bruno Borges, Cida Costa, Danilo Martins, Deivison Santos, Diego Francisco, Edson de Oliveira, Felipe Paulino, Jeckie Brown, João Vítor Nascimento, Leilane Pinheiro, Mariana Alves, Marília Coelho, Nathália Mattos, Pablo Sobral, Ramon Francisco, Sônia Magalhães, Taiana Bastos, Thaís Dutra, Tiago Ebeneze

Figurinos: Gorette Bezerra
Cenografia: Fernando Mello da Costa
Designer de Iluminação: Pablo Cardoso
Produção Executiva: Marcio Lopes
Direção de Produção: Dani Carvalho

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here