OAB-RJ e Firjan criticam estratégia de segurança no Rio

A Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Rio de Janeiro (OAB-RJ), divulgou uma nota em que afirma que a estratégia de segurança no estado passa por uma situação de “descontrole” e “colapso”. O texto considera a situação alarmante e cobra respostas consistentes.

“A escalada da violência no Rio é consequência direta da inexistência de um Plano de Segurança Pública no Estado e da insistência em soluções provisórias, que tentam apenas apagar incêndios, sem qualquer coordenação, apoiando-se na convocação eventual das Forças Armadas, algo que tem se mostrado insuficiente e ineficaz. A OAB/RJ, como instituição representativa da sociedade civil, exige uma solução imediata, que envolva a apresentação de um novo plano com propostas efetivas para a segurança pública”, diz um trecho da nota, que é assinada pelo presidente Felipe Santa Cruz.

A ordem se coloca à disposição das autoridades e da população para colaborar e pede a apresentação de um novo plano, com propostas efetivas para a segurança pública e participação da sociedade na construção de uma solução que tenha “um alto grau de legitimidade”.

“Estamos diante de uma situação limite. Assistimos à violação dos direitos mais elementares da cidadania, impedida de circular livremente e de assegurar sua integridade física e moral. Portanto, trata-se de questão que atravessa o tema da violência e põe em risco as garantias do Estado de Direito”.

Desde o início da manhã de hoje, tiroteios são registrados na Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro. A favela está ocupada pela Polícia Militar desde segunda-feira (18), e a troca de tiros se agravou hoje (22), causando tensão entre os moradores e fechando a Autoestrada Lagoa-Barra. O Exército foi chamado para patrulhar o entorno da favela, e o contingente de policiais de Comando de Operações Especiais foi reforçado.

Firjan

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) também divulgou nota, considerando a situação da segurança pública um “descalabro”. A Firjan defendeu o emprego das Forças Armadas no estado do Rio de Janeiro, com críticas à estratégia de segurança pública.

“Quando um estado da federação é fraco para se defender do crime organizado, seja pela incompetência de quem o comanda, seja pela falência completa de seu sistema de segurança pública, só as Forças Armadas podem dar conta de restabelecer os direitos dos cidadãos de bem”, disse a Firjan, que reconheceu que “os menos favorecidos” são os mais afetados pela situação.

“Pouco importa o que dizem as ‘diretrizes’ da GLO (Garantia da Lei e da Ordem). Não são os fatos estarrecedores dos últimos dias que têm de caber na GLO. É a GLO que tem de dar conta imediata dos fatos estarrecedores que testemunhamos nas últimas horas. Se suas ‘diretrizes’ não são suficientes, que sejam reformuladas”.

A federação também direcionou críticas ao governador Luiz Fernando Pezão, que disse ontem (21) ter “afinado a viola”  após encontro com o ministro da Defesa, Raul Jungmann. “O governador do Rio de Janeiro afirmou ontem que havia ‘afinado a viola’ com o ministro da Defesa . É uma linguagem que o sofrimento de cariocas e fluminenses não comporta. É irresponsável falar com uma leveza ensaiada num momento tão dramático. É desrespeitoso com famílias que têm perdido seus entes queridos com balas perdidas. É um acinte com famílias de policiais militares, que perdem suas vidas quase cotidianamente para defender as dos demais cidadãos. Não é essa a resposta que a população fluminense espera”.

Procurada pela Agência Brasil, a Secretaria Estadual de Segurança Pública afirmou que as ações de segurança estão na rua para combater a criminalidade. O governo do estado não respondeu às críticas da Firjan até o fechamento desta reportagem, e o Ministério da Defesa lembrou que enviou 950 militares do Exército para apoiar as ações da polícia na Rocinha.

Agência Brasil

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*