Oposição paraguaia critica manobra para alterar lei eleitoral

A oposição paraguaia convocou uma marcha para a tarde desta quarta-feira, dia 29, para protestar contra a aliança entre o presidente do país, Horacio Cartes, e o seu adversário histórico, o ex-mandatário Fernando Lugo, que sofreu o processo de impeachment em 2008, para conseguir mudar a Constituição da nação latina e permitir a reeleição presidencial.

A aliança de ocasião entre os dois líderes paraguaios permitiu que senadores aprovassem mudanças no regimento interno do Senado do país para que fosse acelerada a votação a uma emenda à Constituição que convocará um referendo popular sobre a reeleição no Paraguai, que atualmente não é permitida. Para que a reeleição do país seja permitida não é suficiente que uma emenda sobre o assunto seja aprovada, mas sim que a própria Constituição seja mudada a partir de uma reforma constitucional, o que no caso está tentando ser feito com a consulta popular.

Na última terça-feira (28), à revelia do presidente da Casa, Roberto Acevedo, senadores pró-Carte e pró-Lugo votaram na alteração de três artigos do regimento do Senado, o principal permitindo que seja colocada em votação uma emenda constitucional para a convocação e a elaboração de um referendo sobre a reeleição.

Tanto a emenda, considerada pela oposição como um “golpe parlamentar”, como a permissão de reeleição em si, se forem aprovadas, beneficiarão o atual presidente e seu antecessor. Para Cartes, o referendo deveria acontecer até junho, período no qual o paraguaio começaria a preparar sua campanha para as eleições de 2018.

Já para Lugo, que não compareceu à reunião da terça no Senado, mas que é a favor do referendo, a mudança seria altamente positiva já que seu nome aparece em primeiro lugar nas intenções de voto, três posições na frente do atual mandatário do país.

ANSA

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*