Peça “duo Sobre Desvios” na Sala Baden Powell

Foto: Renata Sousa

A peça “duo SOBRE DESVIOS” na Sala Baden Powell para uma temporada, sempre no sábado e domingo às 20h. É uma montagem teatral independente que o ator, artista visual e contador de histórias Cadu Cinelli e o ator, diretor e professor Fabricio Moser elaboraram a partir de referências sobre o abandono presentes nas obras do artista visual cearense Leonilson e do poeta mineiro Bartolomeu Campos de Queiroz, na música da islandesa Björk e na literatura do dramaturgo russo Anton Tchekhov, entre outros. Por meio de uma perspectiva experimental, colaborativa e autoral, “duo SOBRE DESVIOS” se constrói trânsito de diferentes linguagens artísticas que se complementam, como o teatro, a dança e a performance, e no jogo criativo entre formas narrativas, poéticas, musicais, videográficas, coreográficas e dramáticas.

Como celebrar o abandono? Esse é o questionamento feito em “duo SOBRE DESVIOS”, montagem teatral independente que o ator, artista visual e contador de histórias Cadu Cinelli e o ator, diretor e professor Fabricio Moser levam para a Sala Baden Powell, em Copacabana,
para uma temporada de quatro semanas. As apresentações acontecem aos sábados e domingos, às 20h, até o dia 27, com ingressos a partir R$ 15.
A peça é composta por cenas elaboradas a partir de referências sobre o
abandono presentes nas obras do artista visual cearense Leonilson e do poeta mineiro Bartolomeu Campos de Queiroz, na música da islandesa Björk e na literatura do dramaturgo russo Anton Tchekhov, entre outros. Por meio de uma perspectiva experimental, colaborativa e autoral, “duo SOBRE DESVIOS” se constrói trânsito de diferentes linguagens artísticas que se complementam, como o teatro, a dança e a performance, e no jogo criativo entre formas narrativas, poéticas, musicais, videográficas, coreográficas e dramáticas.
Outra característica marcante é a influencia direta da experiência
autobiográfica tanto de seus criadores quanto dos espectadores. Em um dos momentos da peça performativa, motivados pela pergunta que move a montagem, o público é convidado a contar vivências pessoais de abandono ou a abandonar objetos que, a cada nova apresentação, são incorporados à dramaturgia. “O público se torna coautor. A cada apresentação, encontramos as respostas daquela noite, mas na seguinte podemos nos deparar com respostas diferentes para a mesma questão. A pergunta é sempre a mesma, mas a resposta não”, explica Fabrício. “Criamos um espaço de encontro para celebrar o abandono como uma ideia de desvio físico, uma mudança de direção não necessariamente
negativa. O desejo é proporcionar um espaço de experiência tanto para o
público quanto para nós mesmos”, completa Cadu. “duo SOBRE DESVIOS” foi apresentado anteriormente em locais alternativos da
cidade como o Art Hostel e o Espaço Comuna, além de ter participado do “V Tomada Urbana”, em Barra Mansa; do Encontro Artes Cênicas e Negócios, no Tempo Festival; e do “É vento!”, na Fundição Progresso. A peça foi montada, também, nas cidades de Recife, Campo Grande, Dourados e na capital paranaense, cuja apresentação no FRINGE, do Festival de Teatro de Curitiba, rendeu o convite para uma turnê pela Espanha e Portugal em 2014.

SOBRE OS AUTORES

O carioca Cadu Cinelli é ator, artista visual e contador de histórias, e tem
como base de atuação profissional o grupo Os Tapetes Contadores de
Histórias, criado em 1998. Formado em Artes Cênicas pela UNIRIO (2001),
Artes Integradas na Educação pelo Instituto TEAR RJ (2011) e pós-graduado em Psicologia Jungiana, Arte e Educação, pela PUC RIO (2012), paralelamente vem desenvolvendo espetáculos teatrais em colaboração com artistas nacionais e internacionais, onde a multidisciplinaridade é bastante presente em processos colaborativos de criação.

O sul-mato-grossense Fabrício Moser é ator, diretor e professor, e está
radicado no Rio de Janeiro desde 2009. Graduado (UFSM/2006) e mestre em Artes Cênicas (UNIRIO/2011), é professor de Teatro do Instituto Priorit,
direcionado ao tratamento de crianças e jovens autistas, desde 2012; do
projeto Segundo Turno Cultural, desde 2013, e do SESC São João de Meriti, desde 2017. Dirigiu e colaborou com coletivos teatrais como o Teatro de Maquinaria e a Cia Enviezada, e desenvolve projetos teatrais independentes, com o solo Laura (2014).

RESENHA

“Das pessoas, passa-se aos objetos. Objetos que foram presentes, retirados das caixas e que também são abandonados, todos contam uma história: os lenços herdados da avó, a roupa de cama presenteada pela mãe, os cabelos cortados, etc. Os espectadores são convidados a participar, contando suas histórias. Um contou a história do abandono do pai que, apesar de vizinho, só foi conhecer aos quatro anos; outra contou a rejeição do noivo e celebrou com um poema sobre o sentido da vida, também deixado no espetáculo. O duo solicita que olhemos nas bolsas à procura de objetos a abandonar. A autobiografia é partilhada, não é autofágica. Uma moça abandona recibos do cartão de crédito; outra, uma cueca de cores berrantes do namorado estrangeiro, esquecida no fundo do armário. Das caixas, saem objetos abandonados em cada espetáculo: alianças, moedas, chaves, bolsa, par de sapatos… A memória dos objetos é parte do espetáculo que se entende estar em processo contínuo, uma vez que a cada noite recebe novas narrativas e novos objetos deixados pelos espectadores, cúmplices nas revelações autobiográficas. Abandonar objetos é um movimento de desprendimento. Nem tudo é passível de ser deixado. Os afetos são emprestados a eles, objetos inanimados adquirem vida porque tem história”.

Profa. Dra. Gabriela Lirio, coordenadora do PPGAC – UFRJ

FICHA TÉCNICA:

Concepção, criação e atuação: Cadu Cinelli e Fabricio Moser

Textos: Leonilson, Anton Tchekov, Bartolomeu Campos de Queirós, Björk, Cadu
Cinelli e Fabricio Moser

Adereços, cenários e figurinos: Cadu Cinelli

Coreografias e dramaturgia cênica: Fabrício Moser

Produção: Caleidoscópio Associação Cultural

Assessoria de imprensa: Máquina de Escrever Comunicação – Catharina Rocha

Apoio Institucional: Projeto Leonilson e Os Tapetes Contadores de Histórias

Serviço:

Duo SOBRE DESVIOS

Sala Baden Powell – Av. Nossa Senhora de Copacabana 360. Tel.: 2255-1067

Temporada: Até 27 de agosto – sábados e domingos, às 20h.

Duração: 70 minutos. Capacidade: 40 lugares. Classificação indicativa: 18
anos.

Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada).

 

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*