Portal pede informações sobre milícia que atua em Bangu

Foto: Divulgação

O Portal dos Procurados, do Disque-Denúncia, divulgou neste quinta-feira (13) o cartaz com recompensa de R$ 1 mil (cada), por informações que levem as prisões de integrantes de uma milícia que vem agindo no bairro do Catiri, em Bangu, Zona Oeste do Rio. São eles: Valmir Paulo de Oliveira, de 46 anos, terceiro na hierarquia do grupo; Marco Antônio Figueiredo Martins, o “Marquinho Catiri” ou “Marquinho do Ouro”, de 39, chefe da Milicia; Ademir Nunes, segundo na hierarquia; Wolber Nunes Torres, de 25 anos; Luciano Rodrigues dos Santos, e Alan Antunes Monteiro, de 39 anos.

De acordo com o portal, esse grupo também teria controle das atividades criminosas na Zona Norte do Rio, mais especificamente, em Del Castilho e Engenho de Dentro, nas comunidades Águia de Ouro, do Guarda, Fernão Cardim, Belém-Belém e algumas comunidades vizinhas. Eles exploram permissionários de linhas de transporte alternativo, a segurança clandestina, que é imposta a moradores, comerciantes e empresas, e também distribuição clandestina de TV a cabo, e a ocupação irregular e comercialização de terrenos na localidade.

Foi investigado pela Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (DRACO) que grupo comandado por Marquinhos Catiri e Ademir Nunes atua armado e foi responsável pela pratica de homicídios na região. Ainda sobre a quadrilha, foi apurado que Wolber seria sobrinho de Ademir, e atua como seu motorista, além de ser responsável por guardar o dinheiro relativo ao transporte alternativo da localidade.  Ele ainda tem uma firma, que atua na área de segurança, e é responsável por fazer o controle da entrada e saída de caminhões do aterro sanitário em Bangu.

Wolber ainda é o responsável pelo recolhimento do dinheiro relativo aos pagamentos parcelados relativos à venda dos terrenos, e Ademir explora monetariamente o despejo de entulhos no aterro sanitário.

Valmir seria o braço-direito de Ademir e o responsável pelo gato-net do Catiri. Ele ainda tem como subordinados diretos os indivíduos identificados como Alan e Luciano, os quais atuam na manutenção do chamado “gato-net”.

Após investigação pela especializada, foi pedida a Justiça à decretação da prisão preventiva dos envolvidos, o que foi deferida pelo Juízo criminal da 2ª Vara Criminal de Bangu, nos autos do processo n° 0035267-42.2016.8.19.0204, pela pratica do crime de Organização Criminosa. Quanto a Marquinhos Catiri, consta em seu desfavor um mandado de prisão preventiva nº 2417-32.2016.8.19.0204.0001 expedido pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, 2° Cartório da 2ª Vara Criminal, pelo crime de Organização Criminosa (Lei 12.850/2013).

Quem tiver qualquer informação a respeito da localização dos envolvidos neste grupo, favor denunciar pelos seguintes canais: Whatsapp ou Telegram dos Procurados (21) 96802-1650; pelo facebook/(inbox), endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/, pelo mesa de atendimento do Disque-Denúncia (21) 2253-1177, ou pelo aplicativo do DD. Em todos os canais de denúncias, o anonimato é garantido.

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here