Presidente da Petrobras prevê aumento máximo de R$ 0,50 para botijão de gás

Foto: Agència Brasil

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, disse hoje (1) que as reações das distribuidoras de gás de botijão aos novos contratos de fornecimento devem ser “contidas” e não acarretem reajuste de preços ao consumidor maior que R$ 0,50 por botijão de uso residencial.

A estatal anunciou, mais cedo, que o botijão deve ficar até R$ 0,70 mais caro, em média, porque a companhia revisou custos de logística com o produto que antes eram subsidiados.

“Agora, esperamos que [a alta] seja contida nessa dimensão [de R$ 0,50]”, declarou, após cerimônia de despedida da diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, no Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro.

A expectativa dele é que as distribuidoras repassem ao consumidor apenas o custo do fim do subsídio, sem aproveitar para fazer revisão do preço final. Contrariado, o presidente da estatal lembrou que os preços da gasolina e do diesel, que caíram na refinaria recentemente, não foram repassados ao consumidor, que ficou sem o desconto na bomba.

“É preciso criar no país um ambiente propício ao investimento, se você tem subsídios cruzados dentro da estrutura de logística, não existe esse ambiente”, avaliou.

No caso do gás de botijão, Parente explicou que até então a estatal não cobrava pelo uso de tanques e dutos. “Em relação às empresas de gás, [é uma medida] para que elas paguem um preço justo pela infraestrutura que utilizam”. Ele negou qualquer aumento de preços nas refinarias.

Comando da ANP

No comando da agência desde 2012, Magda Chambriard encerrou hoje seu mandado como diretora-geral, agradecendo aos servidores e destacando ações para descentralizar investimentos no país e fortalecer a ANP. Para o futuro, ela apontou como desafio a transição do setor de petróleo, por causa da oscilação de preços.

Na cerimônia, ela lembrou os desafios de montar a agência, no início da década passada. “Em 2002, a ANP não tinha feito um concurso público. Todo esse quadro de servidores, que é hoje de cerca de 1,5 mil pessoas, não estava lá, a gente usava um prédio do Banco Brasil com móveis emprestados. Nem computadores tínhamos, era um rodízio. O quadro hoje é outro”, comemorou ela, que passou 14 anos na empresa e chegou como assessora da direção, depois de uma carreira como engenheira da Petrobras.

Ela lembrou a licitação de blocos de petróleo, cujas rodadas mais importantes foram realizadas sob sua gestão, e destacou que foi possível atrair investimentos para a Linha do Equador, descentralizando operações “concentradas no Sudeste”. Com as concessões, ela também lembrou uma situação inusitada, quando o governo não tinha como cobrar o valor arrecadado com o campo de Libra – a maior reserva conhecida de petróleo no país. “A guia de recolhimento da União não permitia o pagamento de bilhão, só de milhão, tivemos que alterá-la”.

Magda também destacou ações de fiscalização de preços e qualidade de derivados do petróleo, que foram aprimoradas, incorporando denúncias feitas pela sociedade. “Posso dizer que fiscalizamos tanto que nem a Ilha do Marajó [Pará], que nunca tinha sido fiscalizada, ficou de fora”, disse.

Magda Chambriard será substituída pelo engenheiro Decio Oddone, a quem desejou sucesso. O executivo, também ex-funcionário da Petrobras, vinha atuando no setor privado. Seu último trabalho foi como diretor de Óleo e Gás da Prumo, empresa derivada da LLX, de Eike Batista.

Agência Brasil

Deixe uma resposta