Reforma da Previdência aumentará interesse por Tesouro Direto, diz especialista

Técnicos do Tesouro Nacional avaliam que um dos efeitos da eventual aprovação da reforma da Previdência, no próximo ano, pode ser o aumento da procura de investidores pelo Tesouro Direto. O programa foi criado pelo governo, em 2002, para popularizar a aquisição de títulos públicos por pessoas físicas, via internet, sem a intermediação de agentes financeiros.

“Existem muitos investidores que usam o Tesouro Direto como previdência. Acredito que sim, há uma grande tendência, com a reforma da Previdência, à busca por previdência complementar”, disse Leandro Secunho, coordenador-geral de Operações da Dívida Pública Federal.

De acordo com Secunho, 62% dos títulos vendidos no programa são atrelados à inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e a longo prazo, ou seja, com perfil semelhante ao de uma previdência. Ele afirmou ainda que as taxas de administração do Tesouro Direto tentem a ser mais baixas que as da previdência complementar.

Secunho deu as declarações, em entrevista, para comentar o resultado da Dívida Pública Federal em novembro. A dívida cresceu 1,97% em relação a outubro e alcançou R$ 3,092 trilhões.

“[A Dívida Pública Federal] vai ficar dentro do intervalo entre R$ 3,1 trilhões e R$ 3,3 trilhões [previsto pelo governo no Plano Anual de Financiamento – PAF] e, possivelmente, vai ficar um pouco abaixo”, previu Secunho.

Agência Brasil

Joias Nativas

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*