Seca pode comprometer desfile do 7 de Setembro; não chove há 100 dias no DF

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) ampliou as áreas em alerta vermelho devido à seca que assola a região central do país. Como em algumas dessas áreas será o segundo dia consecutivo de umidade abaixo dos 12%, a expectativa é de que ainda hoje (30) a Defesa Civil do Distrito Federal decrete estado de emergência nessas áreas. Segundo o Inmet, a tendência é de que a situação piore nos próximos dias, podendo, inclusive, comprometer o desfile do 7 de Setembro na Esplanada dos Ministérios.

Segundo a meteorologista do Inmet Ingrid Peixoto, as áreas em alerta vermelho aumentaram mais desde terça-feira (29), quando abrangeu a região central de Goiás, em especial as cidades de Goiânia e Luziânia, e pontos do entorno e do Distrito Federal, como o Gama.

“Hoje nosso alerta vermelho se expandiu para toda a faixa oeste, centro e noroeste de Goiás; do leste do Mato Grosso; do sul e sudeste de Tocantins; e do oeste do DF, que abrange, entre outras localidades, o Plano Piloto, Vicente Pires, Guará, Taguatinga, Ceilândia, Mangueiral”, informou Ingrid à Agência Brasil. Segundo ela, nessas localidades a umidade ficará abaixo dos 12%, podendo chegar a 8%.

De acordo com o Inmet, hoje completam 100 dias sem chuva no DF. A última chuva registrada foi no dia 22 de maio. A tendência, segundo Ingrid Peixoto, é de que a situação piore nos próximos dias e que chegue ao auge por volta do dia 15 de setembro. “Portanto, se continuar desse jeito, as atividades previstas para o desfile do 7 de Setembro podem ser comprometidas”.

“Historicamente, a expectativa é de que nesta data [7 de Setembro] se tenha algo em torno de 15% de umidade. Este ano, no entanto, há maiores probabilidades de esse percentual ser mais baixo por conta de uma bolha de ar bem quente que está acima da cidade”, acrescentou.

Defesa Civil

Tendo por base o alerta vermelho feito pelo Inmet dois dias seguidos, cabe à Defesa Civil declarar estado de emergência para a localidade em que ele foi emitido. Esse alerta é dado quando a umidade fica abaixo de 12%, situação em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a interrupção total de qualquer atividade entre as 10h e 16h, em especial aulas de educação física, entregas de correspondência e coleta de lixo.

“A OMS recomenda também a suspensão de atividades que exijam aglomeração de pessoas em recintos fechados, como salas de aula e até mesmo cinemas. Ambientes refrigerados não são recomendados porque o ar-condicionado retira a umidade desses recintos, prejudicando ainda mais as pessoas que ali estão”, acrescentou a meteorologista. Também está entre as recomendações previstas para o estado de emergência a umidificação de ambientes internos, em especial hospitais e quartos frequentados por crianças e idosos.

Alertas

Em situações mais amenas, o Inmet pode decretar alertas amarelo (estado de atenção) ou laranja (estado de alerta). No primeiro caso, quando a umidade relativa do ar está entre 30% e 21%, o recomendado é que as pessoas se protejam do sol; evitem exercícios físicos ao ar livre entre 11h e 15h; bebam mais água; e umidifiquem os ambientes.

Já o alerta laranja é decretado quando a umidade varia de 20% a 12%. Nesse caso, além do que é previsto pelo alerta amarelo, é recomendado que se evite aglomerações em ambientes fechados e que se umidifique olhos e nariz com soro fisiológico. O intervalo para que se evite exercícios físicos é ampliado para o período entre 10h e 16h.

A Defesa Civil do DF disse à Agência Brasil que, caso se confirmem as expectativas anunciadas pelo Inmet, deverá decretar ainda hoje estado de emergência. De acordo com o Inmet, em uma seca dessa magnitude há também maior ocorrência de queimadas, bem como a formação de névoa seca e de redemoinhos de poeira. Também são mais comuns problemas respiratórios na população.

“Estamos com um clima bastante semelhante ao do deserto, com noites frias e tardes bastante quentes. A diferença é que, no deserto, isso ocorre o ano inteiro. Lá [nos desertos], a temperatura à tarde fica em torno dos 40 graus centígrados (ºC), enquanto as madrugadas podem registrar temperaturas até mesmo abaixo de zero. Podemos dizer que, aqui nessas regiões durante o período mais seco, a situação é comparável à que ocorre no deserto”, completou Ingrid.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

*