Turquia prende deputados pró-curdos por crimes de terrorismo

Os dois líderes turcos da legenda pró-curda Partido Democrático dos Povos (HDP), Selahattin Demirtas e Figen Yuksekdag, foram presos na noite de ontem (3) sob acusação de terrorismo e enviados a um tribunal de Diyarbakir com outros nove deputados.

Selahattin Demirtas e Figen Yuksekdag foram detidos em suas casas na cidade de Diyarbakir e Ancara, respectivamente, como parte de uma investigação contraterrorista, informou a mídia da Turquia. O grupo será julgado por um magistrado, que decidirá se mantém ou não as prisões.

Os deputados opositores foram presos após a entrada em vigor da lei que retira a imunidade parlamentar e a voluntariedade de se apresentar a tribunais. Logo depois das prisões, um carro-bomba explodiu diante de um prédio da polícia em Diyarbakir, ferindo 20 pessoas. O município localizado no sudeste da Turquia concentra a maior comunidade curda do país.

A Turquia permanece sob estado de emergência desde a tentativa falida de golpe de Estado, em julho, contra o regime do presidente Recep Tayyip Erdogan. Ativistas da associação de monitoramento on-line Turkey Blocks denunciaram que o acesso aos principais sites de mídia social foi bloqueado durante a noite no país. Facebook, Twitter e Youtube estariam inacessíveis desde às 1h20 local.

Algumas restrições foram colocadas também no acesso ao aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp e ao Instagram pela primeira vez em nível nacional nos últimos anos. O Turkey Blocks afirmou em seu site que o bloqueio estaria relacionado à prisão dos deputados pró-curdos.

ANSA

Deixe uma resposta