Vendas do setor de supermercados acumulam alta de 1,21% em valores reais

As vendas do setor de supermercados registrou alta de 1,21% de janeiro a setembro, na comparação com o mesmo período do ano anterior, de acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), considerando os valores reais – descontada a inflação. Em setembro, as vendas do setor em valores reais apresentaram queda de 1,17% na comparação com o mês de agosto e alta de 4,66% em relação ao mesmo mês do ano de 2015.

Em valores nominais (sem qualquer correção pela inflação), as vendas apresentaram queda de 1,09% em relação a agosto e, quando comparadas a setembro de 2015, alta de 13,53%. No acumulado do ano, as vendas cresceram 10,69%.

“Desde o final do primeiro semestre, o nosso índice tem mostrado uma recuperação nas vendas em relação ao ano passado. O resultado de setembro foi até um pouco além do que esperávamos e, com isso, já estamos prevendo um resultado melhor de nossas vendas para os próximos meses em relação ao que prevíamos inicialmente. Com isso, a nossa expectativa é de que o fechamento do ano registre algo em torno de 1%”, disse, em nota, o presidente da Abras, Fernando Yamada.

Cesta

No mês de setembro, uma cesta de produtos elaborada pela Abras, em pesquisa da Gfk e analisada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da associação, registrou alta de 16,51% em setembro deste ano em relação ao mesmo mês do ano passado, passando de R$ 415,25 para R$ 483,80. Na comparação entre agosto e setembro deste ano, a cesta registrou queda de 0,46%, passando de R$ 486,04 para R$ 483,80. A cesta analisada é composta pelos 35 produtos mais consumidos nos supermercados, entre alimentos (incluindo cerveja e refrigerante), higiene, beleza e limpeza doméstica.

As maiores altas de preço no mês de setembro, registradas pela Abras, foram em produtos como: farinha de trigo, leite em pó integral, tomate e desinfetante. Já as maiores quedas foram nos itens: batata, leite longa vida, cebola e margarina cremosa.

Regiões

Em setembro, a Região Norte foi a que apresentou maior alta nos preços da cesta (0,53%), chegando a R$ 534,03. Em seguida, a Região Nordeste registrou aumento de 0,51%, atingindo R$ 427,75. A maior queda foi registrada na Região Centro-Oeste (-2,09%), que custou em setembro R$ 454,97, seguida pela Região Sul (-0,79%), custando R$ 524,01, e Região Sudeste (-0,49%), custando R$ 469,34.

Agência Brasil

Deixe uma resposta